images (11).jpg

 

Tratamento complementar do Estresse

O estresse não é considerado doença, entretanto pode desencadeá-las.

 

Os “sintomas” do estresse são inúmeros, se manifestam de várias maneiras, como: irritabilidade, redução da concentração e perda da memória, insônia, isolamento, desânimo, apatia, agressividade, cansaço, dores no corpo (principalmente na cabeça, nuca e ombros), tensões nos músculos, palpitações, queda de cabelos, azia, má digestão, alergias, cefaléia, herpes, pânico, asma, doenças dermatológicas, falta de ereção, entre outras. Quando uma pessoa é exposta por longo período ao estresse, será um forte candidato para as doenças graves, como: depressão crônica, infarto, acidente vascular cerebral (AVC), úlceras gástricas, hipertensão arterial, diabete, inclusive síndrome do intestino irritável, tudo depende de como o estresse é administrado, quando o quadro clínico apresentar “carência afetiva”, a doença ou situação, normalmente utilizada inconscientemente, como forma para chamar atenção dos outros, nesses casos há maiores chances das ocorrências dessas doenças, elevando consideravelmente o risco de vida, diariamente centenas de pessoas vão ao óbito por não tratar a “causa” do estresse.

 

Algumas pessoas possuem facilidade para administrar o estresse, enquanto outras sentem mais dificuldade, depende da intensidade, natureza, tempo de duração, nível de carência afetiva, inclusive a capacidade do ser humano em conseguir se adaptar ou modificar os recursos disponíveis em seu ambiente e principalmente, como foi sua higiene mental desde a infância.

É bastante comum as pessoas confundirem o estresse com depressão e até mesmo com ansiedade elevada, uma avaliação especializada é recomendada quando os sintomas persistirem.

 

Não ter qualidade de vida, como arcar com muitas responsabilidades e compromissos, cuidar de todos menos de si mesmo, dedicar-se integralmente num trabalho, não priorizar momentos de lazer e descanso, não praticar exercícios físicos, seguir uma rotina massacrante, sem horário para as refeições e para dormir, e sem preocupação com o cardápio, escolhendo sempre o mais rápido e fácil, são alguns elementos comportamentais, muito comuns e facilitadores de estresse. Atualmente, o que mais chama a atenção ao estresse, é o estresse relacionado ao trabalho e internet, como: ambiente profissional com muitos conflitos, desorganizado, competitivo, relacionamentos difíceis com o chefe ou colegas, levar trabalho para casa, ler e responder e-mails nos finais de semana, ocupar o final de semana só para estudar, assim como passar horas em redes sociais e jogos eletrônicos.

Normalmente o ser humano busca válvulas de escape para aliviar a tensão do estresse, de forma negativa, alguns abusam de drogas, álcool e cigarro, outros descarregam na alimentação, nos calmantes e antidepressivos, entretanto outros buscam formas saudáveis para aliviar as tensões do estresse, como as caminhadas, passeios, exercícios, cinema, teatro, boa música, etc. Observando que a fuga é só uma forma de alívio, a “causa” continua no nível mental.
Interessante observar que o estresse passa ser visto pelas ciências biológicas como apenas “sintoma”, enquanto a “causa” não for efetivamente tratada, as pessoas portadoras dessa patologia ficam a mercê de consultas e medicamentos, alimentando a mega-indústria da saúde, pois toda a “causa” do estresse sempre está ancorada no nível mental (memória consciente e/ou inconsciente), onde nenhum fármaco ou químico consegue chegar.

Os remédios apenas burlam as causas do estresse, atuam até o campo neurológico, pois não atingem os níveis da mente onde estão alojados os registros de memória, as verdadeiras “causas”, as terapias cognitivas e comportamentais podem ajudar apenas como orientadoras para o indivíduo melhor administrar o estresse, assim como os conflitos emocionais, também não tratam as “causas”. Ocupar a mente de forma saudável, com relaxamentos e meditações, alimentação saudável, mudar a dinâmica de trabalho e na família é importante, todavia também não agem nas “causas”.

Combater sozinho o estresse pode ser tarefa difícil, muitas vezes exige o empenho da família, dos colegas de trabalho e amigos, muitas vezes é necessário mudanças de meio, dos hábitos e costumes, até mesmo comportamentos. Nos primeiros sinais de estresse, as pessoas devem estar alerta, procurar entender tudo que passa em sua volta, acima de tudo se entender, buscar equilíbrio emocional, resolver da melhor maneira possível as situações pendentes, dialogar, colocar para fora os sentimentos reprimidos, aliviando as tensões emocionais.

O estresse não é considerado doença, entretanto pode desencadeá-las.

 

Novo tratamento para estresse

 

Agora surge um tratamento definitivo para o estresse, através de uma técnica de hipnose clínica e terapêutica, desenvolvida no Brasil, que a partir de 2005 está invadindo os consultórios médicos e psicológicos, seu criador é o Prof. Luiz Carlos Crozera, natural da cidade de Jaú – São Paulo, a técnica foi batizada como Hipnose Condicionativa, ela chega diretamente nos registros que estão no nível mental, conscientes e inconscientes, onde estão alojados os registros de memória causadores ou desencadeadores dos sintomas do estresse, remove toda carga emocional dos fatores estressores, para que a mente não consiga mais fazer associação, descondiciona definitivamente a conexão entre a mente e a fisiologia, reverte imediatamente os sintomas fisiológicos e comportamentais do estresse, ainda nesse tipo de psicoterapia breve implanta-se registros motivacionais na mente, para que a pessoa tenha uma vida perfeitamente saudável, feliz e prazerosa, são implantados mecanismos que elevam a auto-estima, aumentando a imunologia do organismo, controla os níveis da ansiedade e a vontade, de acordo com cada situação, equilibra inclusive o centro emocional, tudo isso é realizado em poucas sessões. Em muitos casos, uma única sessão é suficiente para acabar definitivamente com o estresse, dependendo da profundidade do relaxamento que a pessoa conseguiu chegar durante a sessão e dos recursos empregados pelo hipnólogo. As pessoas ganham muito mais qualidade de vida, ficam livres dos medicamentos e até das psicoterapias que duram anos; esta técnica não tem contra-indicações, pode ser aplicada inclusive em crianças, a partir dos oito anos de idade.

 

O tratamento com hipnose Condicionativa não é invasivo, é 100% seguro e livre do uso de medicamentos.

 

 Certificação em Hipnose Condicionativa pelo Instituto Brasileiro de Hipnologia (CentroMundiall de formação em Hipnose Condicionativa) .

* Antes de optar por uma terapia complementar ou alternativa, consulte seu médico de confiança.

 

AGENDE UMA AVALIAÇÃO GRTUITA

Consulte sempre seu médico

Apenas quem pode diagnosticar uma doença é o médico. O hipnólogo Clínico não está habilitado para fazer quaisquer tipos de diagnósticos, podendo atuar apenas de formas natural, terapêutica, complementar ou alternativa, seguindo o que próprio paciente relata sobre seus problemas. 

* Antes de optar por uma terapia natural, complementar ou alternativa, consulte seu médico de confiança.

"Quando você muda tudo ao seu redor  muda."


Ribeiro  - Hipnólogo